Renda Básica da Cidadania e o enfrentamento da crise

A Renda Básica de Cidadania (RBC) é a nomenclatura dada a Renda Básica Universal, que vem ganhando maior força em meio a crise econômica que tomou conta de diversos países em meio a pandemia do coronavírus.

Em partes, a renda básica foi adotada pelos países, principalmente em meio a pandemia, como o Auxílio Emergencial. Mas, não só agora, o Brasil já vinha seguindo alguns passos com o Bolsa Família e Bolsa Escola, que foram instituídos a partir de 2004, pelo Governo Federal.

Mas afinal, por que a Renda Básica da Cidadania ou a Universal não foi colocada em prática na sua totalidade? Entenda o que ela é e como ela pode ajudar no enfrentamento da crise econômica.

Renda Básica da Cidadania (RBC)

A Renda Básica Universal é um benefício pago aos cidadãos para suprir as necessidades básica de cada pessoa, garantindo o direito a moradia, alimentação, saúde e educação.

Essa renda deve ser paga periodicamente a todo e qualquer cidadão, sem a necessidade de condição ou contribuição, independente do status social da pessoa.

No Brasil, esse programa de universal foi instituído a partir de 2004, com o nome da Renda Básica da Cidadania, que prevê o pagamento de um benefício monetário mínimo, de igual valor, para combater as desigualdades e garantir o mínimo para a sobrevivência.

A Renda Básica da Cidadania e o coronavírus

Com a chegada da pandemia do coronavírus em 2020, muitos países instituíram outras formas de renda mínima, para atender a todos que foram diretamente atingidos pela crise econômica imposta pelas restrições da Covid-19.

Assim, muitos países como Alemanha, Canadá, EUA, entre outros, forneceram a todo e qualquer cidadão um benefício fixo para garantir que as necessidades básicas das pessoas pudessem ser supridas em meio à crise.

Renda Básica no Brasil

No Brasil, a RBC passou a abranger os trabalhadores autônomos e os desempregados que foram alvo dos prejuízos econômicos causados pela quarentena imposta pela pandemia.

No entanto, o Auxílio Emergencial não pode ser caracterizado como renda básica, já que os beneficiários precisavam preencher uma série de requisitos para ter acesso ao benefício.

Além disso, o auxílio foi revisado, deixando de contemplar uma série de pessoas e foi reduzido para R$ 200, sendo apelas um terço do valor pago anteriormente, o que não supre as necessidades básicas para garantir educação, moradia e alimento.

O futuro da RBC

A crise econômica atual demonstra para o Governo Federal a necessidade de implementar uma renda básica para garantir melhores condições de vida para os cidadãos, com o foco de reduzir as desigualdades.

Com isso, economistas e políticos defendem a necessidade de uma reforma tributária para que a RBC possa ser definitivamente implantada, gerando maior poder aquisitivo para todos.

Aliás, a adoção da renda básica tende a permitir um maior crescimento para o país, já que os trabalhadores terão o mínimo para empreender e formar cooperativas para criar postos de trabalho, promovendo uma melhora geral nas condições de vida da população.

Portanto, a adoção definitiva da RBC é uma forma do Governo Federal dar suporte à população de baixa renda, garantindo moradia e alimentos para todos.

Então, é importante saber mais sobre a Renda Básica da Cidadania e outros programas do Governo Federal que atende a população carente, para entender como melhorar a situação dos brasileiros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *